Mixtapes

Não me entendam mal: eu pertenço à categoria de pessoas felizes com músicas em MP3, mas é claro que a passagem do mundo analógico para o digital nos fez perder um tanto de coisas boas. As capas de LPs são as mais óbvias, mas aqueles cassetes caseiros, com título e faixas identificadas com garranchos de BIC e canetinhas coloridas (e, no final, com fontes primitivas saídas de uma impressora matricial), são também daquelas coisas bacanas que vão para o museu das perdas a lamentar, embora inevitáveis. Com as imagens abaixo, Steve Vistaunet presta suas homenagens a essa artezinha perdida.

[Via Dangerous Minds]

c9c86a6d1130d66870d6689f76a7c921 40d68189327519ec1a11312a11feb625 8f61c7df69d5b6f41bbb1e715803b9db

Japão sempre estranho Japão

J-horror e pinku

Os cartazes são de filmes de dois gêneros em que os japoneses se tornaram especialistas: o terror (por mais bizarros que sejam as produções, elas não param de ser copiadas pelos americanos) e o pinku – ou pink, filmes de soft porn, boa parte deles de vertente sado-masoquista. Às vezes, os dois se misturam. E tome velhos loucos, fantasmas, mulheres quase sempre vítimas, vestidas de gueixa ou de estudante … E quem vai negar que alguns desses cartazes são bem bacanas?

Clique em “FS” para ver em tela cheia.