BRAVO! de maio nas bancas

Está chegando às bancas a BRAVO! de maio. Na capa, Lady Gaga, fotografada por David LaChapelle. Quem assina a reportagem é Pedro Alexandre Sanches.

A edição traz ainda um texto de Eduardo Simantob sobre o fenômeno Roberto Bolaño, a propósito do lançamento no Brasil (finalmente) do romance póstumo 2666. Em cinema, Anna Rachel Ferreira Wagner Gorab falam sobre a recente militância de James Cameron na Amazônia. E, na série em homenagem a Noel Rosa, o dramaturgo pernambucano Newton Moreno escreve uma mini-peça sobre o compositor carioca.

Música pop, para entender

Depois da edição especial Para Entender o Teatro Brasileiro, está chegando às bancas, amanhã, o segundo volume da coleção, desta vez dedicado à música pop.  Ainda virão edições sobre música erudita, livros, dança, artes plásticas e cinema.

Neste volume, os textos são de André Albert, André Toso, Sérgio Martins, Sílvia Rocha e Maristela do Valle. A edição é de Patrícia Jota. Nas seções fixas, Arthur Dapieve discute, no Ensaio, as novas formas do pop nacional; na Entrevista, Lulu Santos fala do potencial da música pop brasileira no exterior; e o Ensaio Visual relembra o marco do Rock in Rio.

BRAVO! de abril nas bancas

Está chegando às bancas a BRAVO! de abril. Na capa, Paulo José, fotografado por Daryan Dornelles. A reportagem, de Armando Antenore, mostra a rotina a que o ator se submente para controlar o mal de Parkinson e continuar atuando.

A edição traz também uma longa matéria, assinada por Cristiane Costa, sobre as novas possibilidades narrativas abertas por suportes eletrônicos de leitura como o iPad.

Em cinema, André Nigri escreve sobre o filme Alice no País das Maravilhas, de Tim Burton. Em Artes Plásticas, André Albert fala das  influências – díspares – de Mário de Andrade e Monteiro Lobato na obra da Anita Malfatti, tema de uma retrospectiva em Brasília.

Teatro, para entender

Está chegando às bancas a edição especial da BRAVO! Para Entender o Teatro Brasileiro. A revista é a primeira de uma coleção que, ao longo do ano, abordará todas as áreas cobertas pela revista: música pop, música erudita, livros, dança, artes plásticas e cinema.

Neste primeiro volume, os textos são de Débora Pinto, Dirceu Alves Jr., Gabriela Mellão e Manoela Sawitzki. Conta ainda com um ensaio da crítica e tradutora Barbara Heliodora; uma entrevista com o ator Sérgio Britto; e um ensaio visual assinado pela fotógrafa Lenise Pinheiro, uma especialista em imagens do palco.

A edição é de Marcelo Musa Cavalari e deste que vos fala.

BRAVO! de janeiro nas bancas

Está nas bancas a BRAVO! de janeiro, que traz na capa a cada vez mais bela Penélope Cruz, estrela dos filmes Abraços Partidos, de Pedro Almodóvar, e Nine, de Rob Marshall. A revista tem ainda, entre outros temas nem tão bonitos, uma reportagem sobre o maestro John Neschling e textos de José Castello e Paulo Polzonoff Jr. em defesa, respectivamente, das obras de José Saramago e Lobo Antunes – protagonistas da maior cizânia literária em língua portuguesa.

Por fim, uma extensa matéria minha trata da obra de Euclides da Cunha além de Os Sertões – texto que disponibilizarei aqui amanhã, no mais tardar.

A última vez de Nabokov

nabokov1Por último (a propósito), mas quero crer que não menos importante, a BRAVO! deste mês também traz uma matéria minha sobre O Original de Laura, de Vladimir Nabokov (Alfaguara, 304 págs., R$ 59,90). Escrito pouco antes da morte do autor russo, o livro é pouco mais que um rascunho  – mas a história de sua criação e publicação, cheia de “encantamento e decepções”, pode ser considerada tipicamente nabokoviana.

Para ler o texto, clique aqui.

BRAVO! de novembro nas bancas

Rubem

A BRAVO! de novembro está chegando às bancas com Rubem Fonseca na capa, a propósito do lançamento de O Seminarista, primeiro romance do escritor em sua nova editora, a Agir. A extensa e detalhada reportagem, assinada por João Gabriel de Lima, Malu Porto e Tiago Petrik, traz histórias inéditas da vida do escritor. A edição trata ainda outras histórias: as dos amores impossíveis de Clarice Lispector e as inventadas por Villa-Lobos sobre si mesmo.

Rankings

revistas

Rolling Stone Brasil publicou em sua edição 37, de 3º aniversário, um ranking das 100 maiores músicas brasileiras. Não vi a lista completa nem li os textos, mas achei curiosas as mezzo-coincidências – e divergências – entre as 10 primeiras dessa relação e as equivalentes da edição 100 Canções Essenciais da Música Popular Brasileira, de BRAVO!, editada por este que vos fala (com a ajuda de muitos) e lançada em maio de 2008. A seguir, os dez primeiros de cada revista, lado a lado:

Rolling Stone                                                                                      BRAVO!

1. Construção, Chico Buarque                                           1. Carinhoso, Pixinguinha e João de Barro

2. Águas de Março, Elis Regina e Tom Jobim             2. Águas de Março, Tom Jobim

3. Carinhoso, Pixinguinha                                                   3. João Valentão, Dorival Caymmi

4. Asa Branca, Luiz Gonzaga                                              4. Chega de Saudade, Tom e Vinicius

5. Mas Que Nada, Jorge Ben                                               5. Aquarela do Brasil, Ary Barroso

6. Chega de Saudade, João Gilberto                                6. Tropicália, Caetano Veloso

7. Panis et Circencis, Os Mutantes                                    7. Último Desejo, Noel Rosa

8. Detalhes, Roberto Carlos                                                 8. Asa Branca, Luiz Gonzaga e H. Teixeira

9. Canto de Ossanha, Baden Powell, Vinicius              9. Construção, Chico Buarque

10. Alegria, Alegria, Caetano Veloso                             10. Detalhes, Roberto e Eramos Carlos