Um rio interminável

A semana, que começou com procrastinação (aqui), termina com este Arte Poética, de Jorge Luis Borges, declamado pelo próprio. Entre um e outro, cinco dias e uma ideia sobre o tempo. A tradução na íntegra vai abaixo.

Mirar o rio feito de tempo e água
e recordar que o tempo é outro rio,
saber que nos perdemos como o rio
e que os rostos passam como a água.

Sentir que a vigília é um outro sonho
que sonha não sonhar, e que a morte
que teme nossa carne é essa morte
de cada noite, que se chama sonho.

Ver no dia ou no ano um símbolo
dos dias do homem e de seus anos,
converter o desrespeito dos anos
numa música, num rumor e um símbolo.

Ver na morte o sonho, no pôr-do-sol
um triste ouro, assim é a poesia
que é imortal e pobre. A poesia
volta como a aurora e o pôr-do-sol.

Às vezes numas tardes uma cara
nos mira lá do fundo de um espelho;
a arte deve ser como esse espelho
que nos revela nossa própria cara.

Contam que Ulisses, farto de prodígios,
chorou de amor ao divisar sua Ítaca
verde e humilde. A arte é essa Ítaca
de verde eternidade, não prodígios.

Também é como o rio interminável
que passa e fica e é cristal de um mesmo
Heráclito inconstante, que é o mesmo
e é outro, como o rio interminável.

8 Comentários para: “Um rio interminável

  1. Pingback: almirdefreitas
  2. Pingback: Almir de Freitas
  3. Pingback: Adriana Rubenich
  4. Pingback: Laura Camarano
  5. Pingback: AninhaGR
  6. Thank you for posting my video. Your blog is very interesting.
    Cheers from Argentina.
    Julián.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *