Sexo e literatura

Depois do post de tatuagem literária de ontem (leia aqui), a Miriam Bemelmans (thanks!) me lembrou do filme O Livro de Cabeceira, sem dúvida a melhor coisa que Peter Greenaway fez em toda a sua vida. A obsessão de Nagiko pela caligrafia no corpo sempre me pareceu uma forma perfeita de simbolizar a aproximação entre sexo e literatura. A lembrança do filme é ainda mais oportuna quando sabemos da função erótica que as tatuagens procuram ter. No caso das literárias, a carga de significados entre os seus adeptos é ainda mais interessante.

Mas, ok, sem teorizações. No vídeo acima, um trechinho do filme.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.