Sangue, sensacionalismo e mulheres complexas

Outra boa de capas imaginárias. Um estudante de design gráfico, Philip Belger, bolou quatro delas para livros cujas narrativas renderiam  manchetes de tabloides sensacionalistas. Sexo, adultério, intriga, morte e… mulheres algo complicadas, vamos dizer assim: Emma Bovary, de Madame Bovary, de Gustave Flaubert; Edna Pontellier, de O Despertar, de Kate Chopin; a condessa Ellen Olenska, de A Era da Inocência, de Edith Wharton; e, finalmente, Anna Karenina, do romance homônimo de Leon Tolstoi.

Achei essas também no sempre bom Caustic Cover Critic.

6 Replies to “Sangue, sensacionalismo e mulheres complexas”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.